terça-feira, 24 de maio de 2011

Monólogo enlouquecedor

Pequenas atitudes brandas
em tensas vozes
a espreitar
enquanto bichos.
Lindos feixes ornamentam
o horizonte,
cintilam magicamente
a ponto de esvair emoções,
desejos mórbidos e loucos.
Atormentam minha mente
demasiadamente
e aos poucos transformo-me
num ser desvairado.
Num ato cênico de falares
transportam-me para
um mero monólogo:
onde sou ator de mim mesmo,
o meu eu comigo mesmo
versus vozes e falares
e assim (re)crio-me
a cada momento
sem clareza e exatidão,
sem perspicácia
e atitude fugaz e efêmera,
mas que espera poeticamente
fazer a passagem
ou nada a fazer!
(Jasanf)

5 comentários:

Catia Bosso disse...

Dentro da tessitura poética, arrasou! Mas como sou leitora assídua do eu-lírico, sou suspeita pra falar né!
...mas que espera poeticamente
fazer a passagem
ou nada a fazer! Neste trecho em especial, a maestria poética se esbaldou! Chic, sensual, dado e instintivo!

bjsss

Catita

Colecionadora de Silêncios disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Colecionadora de Silêncios disse...

Olá.

Magnífico poema! Adorei! Esse trecho em especial, achei o máximo:

"Atormentam minha mente
demasiadamente
e aos poucos transformo-me
num ser desvairado."

Beijo grande e parabéns!

Nina Pilar disse...

Lindo o seu blogger.
e escreves com muita emoção.
abraços

Ma Ferreira disse...

Jasanf..

Como sempre vc coloca as palavras de maneira que me encanta.
O que dizer diante de tanta beleza?
Nada..apenas sentir!!
Bj
Ma