sábado, 20 de agosto de 2011

De todo, tolo, meu amor

De todo, tolo, meu amor
Transcendente das folhas do outono
Que esfria e arde no topor
Que come e bebe meu sono

De pouco, sempre, meu amor
Onipresente na sofrível alma
Que traz o sentimento vil
Que salva indiscutível doente

De tudo, nunca, meu amor
Direi que é o inverno
Ou o tempo que passou

Direi do meu credo
Direi que estou por ti
De todo, tolo, meu amor.



http://gabrielcastelar.blogspot.com/

5 comentários:

Evanir disse...

Carinhosamente desejo a você
um feliz final de semana.
Creia você é muito importante para mim
e lembre sempre.
Deus não é nada do que você
possa imaginar,ele é tudo que
você pode amar sem medo.
Bjs no seu coração,Evanir.

Simone MartinS2 disse...

Bom dia e de todo tolo meu amor, eu digo que ainda te amo, mesmo meu amor sendo ainda tao tolo...bjin.....bom fim de semana!

Rosivar Marra Leite disse...

Amei seu poema!
Tolo é quem ama, mas viver sem amor, hum...
Melhor ser chamado de tolo todos os dias, rsrs...

Sonia Guzzi disse...

Amar é mesmo tolo. É um tal de mente congestionada, sorriso descabido...
Gde abraço, em divina amizade.
Sonia Guzzi

Reflexo d'Alma disse...

Mas poesia
e esse
somar de
palavras
que nos levam
e nos elevam.
Bjins entre sonhos e delirios